Sony diz que não há regras de censura no PS4, jogos são julgados caso a caso
Notícias
Em uma breve entrevista com o site Japonês Game*Spark, um porta-voz da Sony Interactive Entertainment negou que tenham introduzido regras para as políticas de censura do PS4. Recentemente, um porta-voz da filial da Sony na Califórnia confirmou ao Wall Street Journal que eles possuem uma política de censura em vigor. No entanto, o porta-voz disse ao Game*Spark que eles não consideram a política de censura como um conjunto real de regras, pois eles julgam os jogos "caso a caso".

O artigo foi publicado em 25 de Abril de 2019, e o representante da Sony foi rápido em dizer ao Game*Spark:

Novas regras não foram introduzidas.

O representante queria esclarecer que não havia regras estabelecidas, ao contrário, digamos, da China, que de fato introduziu novas regras regulatórias para a aprovação de jogos a serem lançados no país, conforme detalhado em uma matéria da Niko Partners.

Clique para ver a imagem em tamanho original

Em vez disso, o representante da SIE disse ao Game*Spark que eles sempre lidam com isso caso a caso.

Na Sony, eles estão tentando respeitar a expressão criativa dos desenvolvedores, mas em casos extraordinariamente raros - onde os jogos de que as pessoas gostam têm um conteúdo sexual excessivo que pode gerar insatisfação ou desconforto - levando em conta caso a caso, um executivo da Sony analisará e verificará o conteúdo do jogo com base nas circunstâncias, para garantir que esteja em conformidade com a política.

O Game*Spark mencionou que, mesmo com a política em vigor, a indústria tem sido proativa ao adicionar funções de controle parental para garantir que crianças mais novas não tenham acesso a determinados tipos de conteúdo com temas maduros.

Na verdade, quando a Sony lançou seu vídeo de controle parental, ele foi bombardeado com negativos porque as pessoas criticaram a Sony por não dar importância às configurações de controle parental e as classificação regionais, forçando as desenvolvedoras a cumprir suas políticas de censura.

Clique para ver a imagem em tamanho original

No entanto, a Sony não se importa com o que os jogadores ou até mesmo os sistemas de classificação pensam. Na verdade, o Game*Spark afirmou que as novas políticas da Sony foram feitas para se afastar dos regulamentos da CERO, a organização que classifica os softwares de games e computadores no Japão, e passar para um "padrão global" para policiar expressões sexuais nos jogos. De acordo com o Game*Spark:

Para resumir, a regulamentação da SIE sobre o conteúdo sexual em alguns jogos não é abrangente, e nem todos os jogos são classificados de uma só vez. O conteúdo sexual excessivo em um jogo é monitorado caso a caso por um executivo da Sony.

No entanto, o Japão sempre usou a CERO para os padrões regulatórios, mas agora o conteúdo sexual em jogos está sendo alinhado com a política padrão global muito rígida.

Esta é também uma política regulatória em andamento. Não inicia nem termina com o anúncio ou a certificação de um jogo. Se um jogo para na mesa da Sony - e até mesmo após o lançamento - que eles consideram que contém expressões ou conteúdo sexual "excessivo", eles irão o regulamentar. Foi o que aconteceu com Mary Skelter 2, que foi lançado em Hong Kong depois de já ter sido certificado e recebeu classificação 18+, mas a Sony forçou os desenvolvedores a lançar um patch pós-lançamento para remover o Purification System, o que acabou quebrando o jogo.

Clique para ver a imagem em tamanho original

É também por isso que jogos como Omega Labyrinth Z e Super Seducer foram proibidos, apesar de faltar poucas semanas para o lançamento.

Isso também explica por que alguns jogos são aprovados e outros não. Por exemplo, muitos jogadores estavam se perguntando por que LoveR e certas visual novels, como Dream Daddy, não recebiam uma regulamentação tão pesada no PS4, enquanto outros jogos eram forçados a censurar cenas de calcinha, umbigos, decotes, ou eram totalmente proibidos. Bem, mais uma vez, como afirmou o representante da SIE, depende se o executivo da Sony achar que o conteúdo sexual é "excessivo" demais. Se não for, então eles irão deixar passar.

De certa forma, isso soa muito parecido com o modo como a Valve lida com os jogos na Steam. Às vezes, os jogos 18+ são banidos por se passarem em escolas, mesmo quando não há crianças no jogo, como My Bullied Bride. Outras vezes, esses jogos só para adultos recebem passe livre, mesmo quando contêm conteúdo obsceno, como o jogo Hunt and Snare. E então, em certas ocasiões, vemos que versões para todas as idades de jogos que se passam na faculdade são banidos, como My Girlfriend, enquanto versões para adultos de jogos que se passam na faculdade recebem um passe livre, como Dirty Education. E, em alguns casos raros, a Valve força uma desenvolvedora a censurar o jogo ou a remover completamente personagens antes que tenham permissão de lançar na plataforma, o que aconteceu com os desenvolvedores de Food Girls.

De acordo com alguns desenvolvedores, existem diferentes curadores na Valve, os quais darão passe livre para alguns jogos, enquanto outros o banirão. Aparentemente, existem tipos similares de curadores na Sony, alguns dos quais permitirão um jogo, mesmo depois de já ter recebido uma classificação, enquanto outros forçarão a desenvolvedora a censurar o jogo.

Clique para ver a imagem em tamanho original

Quanto ao motivo de não haver regras específicas para os desenvolvedores seguirem, ainda não temos uma resposta clara, mas os jornalistas Nick Monroe e Sophia Narwitz afirmaram que foram informados por alguns desenvolvedores que a Sony não queria criar políticas porque poderia irritar as pessoas ou criar micro-agressões.

O quanto isso é verdade ainda não sabemos, já que os desenvolvedores estão sob NDA e não podem falar sobre a política, da mesma forma que não podem falar sobre os procedimentos de certificação da plataforma. No entanto, alguns desenvolvedores Japoneses desmentiram abertamente as políticas de censura da Sony. Em particular, o diretor criativo de Senran Kagura, Kenichiro Takaki, demitiu-se de sua posição na Marvelous Entertainment devido ao estresse de tentar contornar as políticas de censura da Sony, o que dificultou muito o que eles podiam implementar em Senran Kagura: 7EVEN.

Agora que a Sony confirmou que não há um conjunto de regras de censura, mas algo que depende mais do "oficial" de censura designado para cuidar do jogo, isso basicamente significa que qualquer jogo pode ser censurado a qualquer momento, por qualquer motivo, e será baseado nas sensibilidades morais daquele oficial em particular. Também não podemos esquecer que o regulamento é responsabilidade da filial da Sony na Califórnia, e os estúdios Japoneses têm que responder as decisões de censura dela.
Sony diz que não há regras de censura no PS4, jogos são julgados caso a caso
Fonte: Oneangrygamer.
Postado a .
Por MarK.
MarK
Tags: